quinta-feira, 20 de novembro de 2008

PLURALIDADE, IGUALDADE E UNIDADE DO SER¹

²Júlio Nessin

Quero falar à humanidade sobre a sua maravilha de ser um ser plural na a riqueza cultural de seus povos, de seus ritmos; de suas formas variavelmente distintas e impares; e de suas cores, tons e gestos.

Mas também quero gritar pela igualdade no direito do ser e de viver humanamente... E no silêncio harmônico do aparente caos dos UNIVERSOS, quero refletir e contemplar a unidade da vida: desde o movimento dos átomos, ao estado estático-dinâmico do pensamento do Espírito.
Somos um na pluralidade de tudo, temos a mesma origem e somos constituídos dos mesmos elementos básicos da vida...

Biológica, psíquica e espiritualmente, necessitamos das mesmas coisas para nos mantermos vivos e capazes.
Revestidos de formas diferentes, somos todos essencialmente iguais e unidos somos apenas um.
A nossa pluralidade é a beleza da composição harmônica de cores e formas, criada e desenvolvida pelo absoluto ARTISTA do universo...
O preto, o branco, o amarelo e o índio, são variações tonais que dinamizam a obra-de-arte da vida, regido por Esta Inteligência Cósmica. E nós que somos uma parte modesta deste magnífico sistema, denominamo-nos de seres “inteligentes'” e causamos as mais absurdas burrices que a razão pode conceber: ignoramos-nos, dividimos-nos e destruímos-nos: Somos uns boçais!

Partindo desta reflexão, somos forçados a nos libertamos do jugo da imbecilidade formada de preconceitos. Neste momento eu conclamo a todos, homens e mulheres: Apartai-vos urgentemente da mediocridade do racismo, da guerra santa, da discriminação sexual, social, econômica ou cultural; apartai-vos da violência ao seu próximo e consequentemente da violência a si próprio.

Somos todos irmãos, frutos da mesma árvore, temos os mesmos direitos e é de direito respeitarmos esta Lei!... Reflitamos sobre isso... Somos UM no TODO universal!
Viva a riqueza plural e a igualdade substancial da unidade divina da vida!... O amor.

Amemo-nos!


¹Discurso de posse na “Comissão Executiva de Reflexão ao Centenário da Abolição da Escravatura no Brasil” - Reitoria da Universidade Federal da Bahia – UFBA. Salvador, maio de 1988.

Júlio Nessin
Publicado no Recanto das Letras em 14/11/2007
Código do texto: T736665
http://recantodasletras.uol.com.br/discursos/736665


²Júlio Nessin: Licenciado em Educação Artística com Habilitação em Desenho, Especialista em Gestão Ambiental e Poeta.

Um comentário:

L~^ disse...

"Somos todos um", quando a humanidade conseguir compreender esta pequena frase, aí sim chegará o dia da libertação total de todos os preconceitos e indiferenças que norteiam nossa civilização. Lindo discurso,Parabéns!